Geral

Geral
Publicidade

Moradores retiram corpos de manguezal após ação da PM no RJ

 


Moradores retiram corpos de manguezal após ação da PM no RJ



Moradores retiram corpos de manguezal após ação da PM no RJ - Testemunhas denunciam sinais de tortura nos cadáveres encontrados em manguezal de São Gonçalo. Caso levanta suspeita de chacina no local, após um policial ser morto por criminosos.Moradores retiraram nesta segunda-feira (22/11) oito corpos de um manguezal no bairro das Palmeiras, no complexo do Salgueiro, em São Gonçalo (RJ). Pessoas no local levantaram suspeitas de que uma chacina tenha ocorrido durante uma ação da Polícia Militar no final de semana


Testemunhas disseram ter visto sinais de tortura nos corpos encontrados, e que outros ainda estariam na região do manguezal. A região foi alvo de uma ação do Batalhão de 


Operações Especiais (Bope) da PM do Rio de Janeiro no último sábado. Tiroteios resultaram a morte de um policial militar. O sargento Leandro Rumbelsperger da Silva, de 38 anos, do 7º BPM teria sido atacado durante um patrulhamento em Itaúna, próximo às Palmeiras, e morreu após ser levado ao hospital. O confronto se intensificou com a chegada do Bope. Moradores acusam os policiais de promoverem uma chacina no local. Alguns afirmam que os corpos estavam jogados uns por cima dos outros

A PM afirmou que confrontos intensos ocorreram na área de mangue, de difícil acesso, e que, em um dado momento, os criminosos estavam no interior da mata fechada. Os policiais teriam sido atacados no manguezal, e houve uma troca de tiros. Munições de fuzil carregadores e uniformes camuflados foram apreendidos.

Nesta segunda-feira, os corpos foram enfileirados e cobertos por lençóis em uma rua do bairro. Um comboio da Polícia Civil, acompanhado de dois blindados da PM, foi até o local

Ministério público investiga ação A Defensoria Pública do RJ confirmou ter recebido relatos sobre a "violenta operação no Complexo do Salgueiro”. Representantes da Ouvidoria irão até a região para obter maiores informações, informou. O Ministério Público do Rio de Janeiro foi comunicado, para a "adoção de medidas cabíveis a fim de interromper as violações”. O órgão disse que que o caso está sendo analisado pela 2ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada do Núcleo Niterói e São Gonçalo

A PM disse que comunicou a operação ao MP-RJ. Em junho do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu operações das comunidades do estado durante a pandemia, que somente podem ser realizadas após o MP-RJ ser notificado com antecedência. Nos últimos meses, diversas ações da polícia no estado resultaram em mortes de civis, como a operação realizada na favela de Jacarezinho em maio, que terminou com 28 mortos, sendo esta a mais letal da história do Rio de Janeiro. A força-tarefa do MP-RJ que investiga o caso denunciou dois policiais civis por envolvimento em uma das mortes. rc (ots)





Fonte: (Uol).

Nenhum comentário

Publicidade

Publicidade

Destaque

randomposts

Anuncie

Publicidade
PUBLICIDADE 300X250
Publicidade